Comissão organizadora:

Claudivan Feitosa de Lacerda (Coordenador do Evento)

Sônia Maria Pinheiro de Oliveira

Alexandre Holanda Sampaio

Eunice Maia de Andrade

Fernando Bezerra Lopes

Mirian Cristina Gomes Costa

Carlos Alexandre Gomes Costa

Carlos Américo Leite Moreira

Bartolomeu Warlene Silva de Souza

Elisabeth Mary Cunha da Silva

Francisco José Silva Tabosa

Oscarina Viana de Sousa

Ednardo Rodrigues Freitas

José Wagner da Silva Melo

16 a 18/10/2018

ESTAMOS ANSIOSOS PARA FESTEJAR O NOSSO CENTENÁRIO COM VOCÊ
 

Fundada em 1918, a Escola de Agronomia nasceu como instituição de ensino superior privada para atender a demanda de formar agrônomos para o Ceará, Estado com economia ligada à agricultura, mas marcado pelas secas e suas implicações. Em 1935, a escola passou por processo de estadualização, tendo sido federalizada pelo Ministério da Agricultura em 1950.

Em 1954, a Escola de Agronomia do Ceará (1918), a Faculdade de Direito do Ceará (1903), a Faculdade de Farmácia e Odontologia do Ceará (1916) e a Faculdade Medicina do Ceará (1948) passaram a integrar a Universidade Federal do Ceará, e atualmente a Escola de Agronomia faz parte do Centro de Ciências Agrárias (CCA). O papel da Escola de Agronomia na fundação da Universidade Federal do Ceará foi "crucial", agregando consistência e lastro científico à empreitada. A criação da UFC foi fundamental para promoção de um ciclo de transformações que impactaria tanto a vida econômica como o ambiente social, orientada pela busca da excelência, inclusão, inovação e internacionalização. Nesse contexto, o centenário da Escola de Agronomia é um marco de grande relevância para toda a sociedade cearense.

A preocupação com a coleta de dados de pesquisa ocorreu desde os primeiros anos da Escola de Agronomia (PAIVA, M.P. - Os Naturalistas e o Ceará. Instituto do Ceará, Fortaleza, Ceará, 2002). Porém, o iniciador da Pesquisa Experimental na Escola de Agronomia foi o Agrônomo Manuel Mateus Ventura, diplomado em 1943, que desenvolveu estudos relacionados às propriedades físico-químicas de produtos e com a fisiologia e bioquímica de plantas (Prisco, J. T - História, Fatos e Reflexões. Depoimento de um professor, pesquisador e gestor universitário. FB Editora, Fortaleza, Ceará, 2014). Em março de 1960, por inspiração sua e com o apoio de Prisco Bezerra e do Reitor Antônio Martins Filho, a UFC criou a Comissão Central de Pesquisa, com o objetivo de coordenar e incentivar a pesquisa científica na Universidade, a qual foi a precursora da atual Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação. (MARTINS FILHO, A. - O Outro Lado da História. Edições UFC, Fortaleza, Ceará, 1983; Prisco, J. T - História, Fatos e Reflexões. Depoimento de um professor, pesquisador e gestor universitário. FB Editora, Fortaleza, Ceará, 2014)

A partir da década de 1960 as Pesquisas e a Pós-Graduação na Escola de Agronomia tiveram um grande impulso, graças ao "Programa de Educação Agrícola", uma parceria da UFC com a Universidade do Arizona (Prisco, J. T - História, Fatos e Reflexões. Depoimento de um professor, pesquisador e gestor universitário. FB Editora, Fortaleza, Ceará, 2014). Esse convênio resultou na melhoria de infraestrutura de pesquisa e, principalmente, no treinamento de docentes e técnicos do Centro de Ciências Agrárias. A partir da década de 1970 a atividade de Pesquisa passou a ser vinculada, quase que exclusivamente, à Pós-Graduação, sendo que em 1971 foi criado o primeiro curso de mestrado, na área de Fitotecnia.

De 1971 a 2018 se verificou grande evolução da pós-graduação das Ciências Agrárias da UFC. Atualmente, o CCA conta com nove programas de pós-graduação nas seguintes áreas: Avaliação de Políticas Públicas (Mestrado Profissional e Mestrado Acadêmico); Biotecnologia de Recursos Naturais (Mestrado e Doutorado); Ciência do Solo (Mestrado e Doutorado); Ciência e Tecnologia de Alimentos (Mestrado e Doutorado); Economia Rural (Mestrado); Engenharia Agrícola (Mestrado e Doutorado); Engenharia de Pesca (Mestrado e Doutorado); Fitotecnia (Mestrado e Doutorado); e Zootecnia (Mestrado e Doutorado).

Os Programas mencionados acima apresentam notas 4 e 5 na avaliação da CAPES (dados do quadriênio 2013 a 2016), tendo sido verificada melhoria no último quadriênio. Os nove Programas são avaliados nas áreas de Ciências Agrárias I, Ciência de Alimentos, Zootecnia e Recursos Pesqueiros, Economia, Biotecnologia e Interdisciplinar. O corpo docente é constituído por mais de 100 professores e o corpo discente composto por cerca de 600 estudantes, com cerca de 260 estudantes de mestrado e 340 de doutorado. No período de 1971 a 2018 foram formados 2.835 mestres e 460 doutores, nas diferentes áreas. Verifica-se, portanto, grande contribuição dos Programas na pesquisa e na formação de recursos humanos, notadamente para as instituições da região Nordeste.

Apesar da reconhecida importância regional e do avanço da Pós-Graduação em Ciências Agrárias da UFC, verifica-se a necessidade de melhorias em termos qualitativos e de maior articulação e integração entre os Programas. A necessidade de ampliar discussões de temas como a inserção na sociedade, a internacionalização, processo de avaliação e a vida cotidiana dos estudantes, parece algo extremamente relevante e necessário. Nesse contexto, apresentamos a proposta do Simpósio de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciências Agrárias da UFC, sendo este simpósio um dos principais eventos que marcam o centenário da Escola de Agronomia do Ceará.

.
 


Realização:

Universidade Federal do Ceará

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Centro de Ciências Agrárias da UFC

Local:

Av. Mister Hull, 2977, Campus do Pici - Fortaleza - CE

Auditório dos Departamentos de Ciência do Solo, Fitotecnia e Zootecnia
Hora: das 08 as 18h

Apoio: